LOGÍSTICA DA COMPOSIÇÃO

Só o sonho é inevitável. Quanto ao resto,
há sempre a possibilidade aberta
de fazer outro gesto, dizer uma
palavra que é o contrário de si mesma.
De puro há a alucinação, a imagem
de alguma coisa rara escorregando
por entre dedos que se fecham em garra,
grudentos de vazio. (Fora a caneta,
é claro.) De absoluto há sempre o corpo
com seus prolongamentos –braços, pernas,
uma cabeça que inventa tudo-
e essa vontade à toa de ser só
o que a janela mostra, um chão, um poste,
uma paisagem áspera de rua.

Paulo Henriques Britto/ Mínima Lírica/ 2013

ESCULTURA

Escultura Brennand

Para Francisco Brennand

Inteira,
a forma se enfia dentro de mim,
e desafia.

Edival Perrini/ www.edivalperrini.com.br/ 2015

A NÍTIDA IMPRESSÃO

Em certas brechas do sonho e da vigília
quase vemos os fios que nos conduzem
umas vezes com tal zelo umas vezes
com total desleixo. É quando

Nos movemos com a nítida impressão
de um teatro atado aos ossos
e de que somos arrastados
contra a nossa própria vida.

Só o que chamamos de absurdo
parece dar a tudo algum sentido.

Eucanaã Ferraz/ Escuta/ 2015

“AMOR EU SINTO”

amor eu sinto

Amor eu sinto.
Se explico,
minto.

Edival Perrini/ Pomar de águas/1993

A PACIÊNCIA E SEUS LIMITES

Dá a entender que me ama,
mas não se declara.
Fica mastigando grama,
rodando no dedo sua penca de chaves,
como qualquer bobo.
Não me engana a desculpa amarela:
“Quero discutir minha lírica com você.”
Que enfado! Desembucha homem,
tenho outro pretendente
e mais vale para mim vê-lo cuspir no rio
que esse seu verso doente.

Adélia Prado/ Miserere/ 2013

Edival Perrini

Edival Antonio Lessnau Perrini nasceu em Curitiba-PR, em 23 de outubro de 1948, onde cresceu e reside. Saiba +

Arquivo

Newsletter

Cadastre-se e receba nosso boletim informativo:

Aceito receber emails